Principais cuidados no transporte de carga perigosa

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Principais cuidados no transporte de carga perigosa

Os cuidados no transporte de carga perigosa são imprescindíveis neste tipo de operação. E eles não são aleatórios, existe legislação específica que determina a prática de transportadoras que oferecem o serviço. Confira tudo sobre o assunto nesse texto.

As orientações que regulamentam o transporte rodoviário brasileiro de produtos perigosos são baseadas em recomendações de órgãos internacionais como a ONU (Organização das Nações Unidas) e seu comitê que analisa a movimentação de cargas perigosas. Isso deve-se ao risco que impõe as pessoas e ao meio ambiente, e qualquer descuido pode causar danos irreparáveis.

Assim cabe a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) seguir esses padrões e regulamentar o transporte de carga perigosa no Brasil.  Vamos conhecer um pouco mais sobre o conceito desse tipo de carga.

O que são cargas perigosas?

Os produtos perigosos são denominados pela ANTT como materiais fabricados em indústrias ou extraídos da natureza com propriedades físico-químicas que levam risco as pessoas, animais, ambiente e segurança pública.

E para transportar essas substâncias essa instituição definiu rótulos e classes para que o conjunto transportador seja facilmente identificável. Também são associados procedimentos específicos para carregar e descarregar esses materiais. De acordo com a cartilha Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no Mercosul, publicada em 2012, pela ANTT, as principais classes de cargas perigosas são:

· Explosivos (Risco 1)

· Gases (Risco 2)

· Líquidos inflamáveis (Risco 3)

· Sólidos inflamáveis (Risco 4)

· Substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos (Risco 5)

· Substâncias tóxicas e infectantes (Risco 6)

· Material radioativo (Risco 7)

· Substâncias corrosivas (Risco 8)

· Artigos perigosos diversos (Risco 9)

O número do risco deve ser informado no rótulo que será impresso e colado na carroceria da unidade de transporte. Essa numeração receberá o complemento dos códigos da ONU para o determinado tipo de carga transportada. Na sinalização, também, terão pictogramas que identificam cada classe mencionada na lista acima (veja figura abaixo).

 

Figura 1 – Classe de Risco e Rótulos Cargas Perigosas

Cada categoria dessas tem subcategorias, e condutas operacionais determinadas por lei. E para cada tipo de carga perigosa, existe um equipamento adequado para transporta-la. É bem comum no transporte de carga perigosa serem usadas carrocerias como:

· Caminhões-tanques

· Caminhões-tanques para gás

· Caminhões refrigerados

· Caminhões cobertos

É possível utilizar carrocerias do tipo aberta em algumas situações, neste caso os cuidados ficam para a embalagem que será utilizada para acondicionar a carga. Conheça as denominações desses envoltórios para produtos perigosos:

· Barril – os mais usados para armazenar os líquidos perigosos, são o de alumínio e de plástico.

· Botijão – acondicionam gases

· Tambor – mais versátil, seu material resiste tanto a líquidos quando a sólidos.

A questão documental das cargas perigosas

A documentação exigida para realizar o transporte de carga perigosa é um item a parte de quem monta o planejamento desse modal. É necessário atender todas as exigências para não ter surpresa na estrada.

Só poderão rodar empresas que conseguirem os seguintes documentos:

1. Manifesto de carga descrevendo todos os pormenores da carga;

2. Um manual informando tudo que deve ser feito em caso de algum acidente durante o transporte, e no momento de carregamento e descarregamento;

3. O motorista carreteiro precisa ter o curso MOPP (Movimentação de Produtos Perigosos); e Habilitação E

4. Atestado de empresa habilitada, que libere os veículos para realizar esse tipo de movimentação rodoviária;

5. Os veículos precisam solicitar ao órgão de fiscalização de trânsito de seu estado o Certificado de Inspeção Veicular (CIV);

6. Para determinados produtos são exigidas autorizações de órgãos ligados a proteção do meio ambiente (IBAMA e ANVISA, por exemplo);

7. Algumas combinações de veículos precisam ter Autorização Especial de Trânsito (DNIT ou DER).

A documentação precisa estar sempre atualizada (boa parte desses tem validade), para que a empresa não tenha o transporte interrompido durante a viagem por bloqueios de fiscalização.

Atualização das regras dos transportes de cargas perigosas

Desde 2016 esse modal rodoviário recebeu uma atualização em suas diretrizes. A ANTT publicou a resolução 5.232, que dentre outras coisas, renova algumas nomenclaturas e reforça alguns cuidados que precisão ser considerados nessa operação.

De acordo com essa resolução, os cuidados no transporte de carga perigosa tornam-se responsabilidade da transportadora e do motorista, seus pontos se estendem para verificação de:

· Estado dos pneus

· Condição do sistema de freios

· Situação das luzes do veículo

· Vazamentos

· Posicionamento da carga

· Produtos perigosos não podem ser transportados ao lado de alimentos ou outros produtos que sejam consumidos por pessoas e animais

Quem ignora esses pontos está passível a multas nas fiscalizações rodoviárias, que apresentam valores de R$ 400,00 a R$ 1.000,00. Por isso, é importante contratar uma transportadora que além do MOPP, incentive seus motoristas a realizarem outras capacitações do gênero, tais como o curso de Condutores de Veículos de Transportes Perigosos, que é oferecido pelo SEST/SENAT.

A transportadora precisa levar a séria a manutenção dos veículos que são destacados para esse tipo de serviço. Nenhum detalhe deve ser esquecido, e programações para avaliar os itens de segurança desses equipamentos devem ser cumpridas. Não apenas para não ser multa, mas principalmente para reduzir os riscos de acidente.

Outro ponto que não pode faltar no perfil de uma empresa de cargas perigosas, é o rígido trabalho do setor documental. A equipe precisa se conectar com as atualizações da legislação desse tipo de transporte, e manter os registros necessários para operar em dia. Criar controles rígidos para acompanhar a validade dos documentos, por exemplo.

Seguindo essas recomendações de cuidados no transporte de carga perigosa, os riscos diminuem, e o atendimento das demandas de seus clientes fluem de maneira assertiva. Para saber como contratar uma empresa que atenda essas obrigatoriedades, clique aqui.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

(045) 3526-0088

rodoriva@rodoriva.com.br

Rua Sérgio Gaspareto, 1818, Sala 2
Foz do Iguaçu – Paraná – 85859-560

Veja nossa localização ›

Registre o seu e-mail aqui para receber todas as novidades da Rodo Riva.

Hospedado por: